Teste da Linguinha - Diagnóstico Precoce da "Língua Presa"

Publicada na Revista Bem Estar, ed 59. ​

     Segundo estudos recentes desenvolvidos pela Universidade de São Paulo, 22,54% dos bebês no Brasil nascem com a chamada “língua presa”, uma alteração causada no frênulo lingual, quando uma porção de tecido que deveria desaparecer durante o desenvolvimento feto, permanece na parte inferior da língua. O resultado é o comprometimento de inúmeras funções exercidas pela língua, como sugar, engolir, mastigar e falar. Quanto mais cedo o diagnóstico, melhor. Por isso, foi desenvolvida uma técnica pioneira no País pela fonoaudióloga Roberta Matinelli. Chama-se “teste da linguinha”. 

     O teste deve ser feito nos recém-nascidos. Assim como outros distúrbios que devem ser avaliados o quanto antes para evitar comprometimento no desenvolvimento da criança, esta avaliação precoce também é ideal para que as pessoas sejam diagnosticadas e tratadas com sucesso.
     A língua presa pode se apresentar em diferentes graus, daí a importância da existência deste teste capaz de identificar a real situação do problema. Ele leva em conta os aspectos anatômicos e funcionais para fazer um diagnóstico preciso e indicar, ou não, a necessidade da realização da frenotomia lingual, popularmente conhecida como pique na língua. A fonoaudiologia explica que caso seja diagnosticado o frênulo lingual encurtado, o bebê deve ser encaminhado ao cirurgião pediatra, ou cirurgião dentista, para realização de frenectomia.