A Saúde Orofacial na Infância

Revista Bem Estar, edição: 52.

Manter a saúde oral depende de inúmeros fatores que começam logo cedo, após o nascimento do bebê. Conhecer os vários elementos que compõem este universo é fundamental na busca pela manutenção da saúde e bom desenvolvimento da criança. O primeiro deles, segundo a fonoaudióloga, mestre em Saúde e especialista em Voz, Sabrina Tolentino da Silva, é a amamentação. “Além do importante vínculo que se forma entre mãe e filho, o aleitamento materno auxilia na proteção à saúde do bebê e favorece um bom desenvolvimento, inclusive das estruturas orofaciais, ou seja, os músculos e ossos da face, entre outros benefícios”, afirma. Na sequência, Sabrina aborda o uso, ou não, da chupeta e mamadeira, e diz que neste assunto há profissionais com pontos de vista diferentes, mas o que deve prevalecer é o bom senso. “Evite usar a chupeta ou mamadeira com dependência emocional, o famoso “calmante de bebê”, e também evite manter o uso além dos dois anos de vida”, orienta. Após os seis meses, é importante que a criança comece a comer alimentos sólidos e, ao completar um ano de idade, alimentos de adultos. “Ao mastigar, realizamos um exercício para a musculatura facial e para manutenção da posição dos dentes nas arcadas. O ideal é mastigarmos dos dois lados da boca e com os lábios fechados”, afirma Sabrina, dizendo que além da alimentação, outras funções contribuem com a saúde orofacial, como a respiração correta, a fala, a formação dos dentes, entre outros. “Acompanhando de perto o bebê, será possível perceber alguma anormalidade e procurar ajuda profissional a tempo de evitar reflexos negativos no desenvolvimento da criança”, finaliza.