Mamãe, você sabia que chupetas e mamadeiras devem ser evitadas?​

      A exclusão destes produtos significa desenvolvimento saudável para os bebês. É muito comum, principalmente nos consultórios dentários, ouvirmos relatos de problemas relacionados a estalos e dores nas ATMs (Articulação Têmporo-Mandibular). Para quem nunca ouviu falar, são aquelas articulações próximas ao ouvido, responsáveis pelos movimentos que fazemos com a mandíbula, como a abertura, avanço, fechamento, retrocesso e lateralidades para esquerda e direta. 
        A natureza é extremamente perfeita. Quando nascemos nossa mandíbula se encontra posicionada posteriormente à maxila. Nossa articulação (ATM) é plana, praticamente reta. Nessa fase, as fibras musculares do sistema mastigatório estão dispostas mais horizontalmente. Essa posição típica dos bebês beneficia a retirada do leite materno, favorecendo o vai e vem necessário para amamentação ideal. 
Para se desenvolver, ganhar forma adequada e funcionar bem, sem estalos, desvios ou dores, a ATM depende dos movimentos que o bebê realiza com a boca. Ou seja, depende diretamente da amamentação. Dessa forma, desde o nascimento estamos modelando, fortalecendo e preparando nossa articulação para o trabalho de uma vida inteira; a mastigação, a fala e a postura corporal.
             Todo movimento que o bebê realiza com a boca, faz com que as superfícies dessa articulação entrem em contato e se desgastem, se modelando. Esse desgaste será responsável pela facilidade dos futuros movimentos da boca, pelo crescimento das arcadas dentárias, com espaço para os dentes, e posição da mandíbula em relação ao crânio, deixando de estar atrás e equilibrando-se com a maxila. 
            E esse movimento precisa ser igual nas duas ATMs, direita e esquerda, para desse modo, favorecer a mastigação adequada, com a mesma força e intensidade nos dois lados da boca. Isso irá proporcionar ao bebê simetria facial, facilidade da função mastigatória e fala, com alinhamento dentário, além de correta respiração pelo nariz.
              Com isso, é fácil entender que a amamentação é a real e mais eficiente prevenção odontológica. E amamentação não é aleitamento com mamadeira. É peito e só. 
A dinâmica muscular da mandíbula durante o aleitamento na mamadeira é totalmente diferente. Essa diferença faz com que, aos poucos, o bebê largue o peito, deixando de receber os estímulos necessários para se desenvolver corretamente

 

         As chupetas e mamadeiras, mesmo as ditas ortodônticas, não reproduzem nem de longe os movimentos que a mandíbula necessita realizar durante a alimentação no peito materno. Sendo assim, proporcionam um desgaste inadequado das superfícies das ATMs, comprometendo seu funcionamento. Pode-se afirmar que prejudicam diretamente o desenvolvimento dos bebês em muitos sentidos. Prejuízo que irá acompanhá-los pela vida toda.
         Na ausência materna, o bebê pode e deve ser alimentado com leite humano usando o copinho. Principalmente os recém-nascidos. Bebês amamentados em sistema de livre demanda não aceitam chupeta, preferem o peito. 
         O desmame do bebê deve ser gradativo, sem mamadeira e passando a receber os líquidos no copinho.
         As crianças habituadas ao uso de chupetas e mamadeiras devem ser encorajadas no sentido de abandoná-las, o quanto antes. E fique atenta, nas crianças um pouco maiores há dois outros hábitos orais que devem ser cuidados e encorajados da mesma forma a abandoná-los são: o chupar o dedo e o roer as unhas. Ambos prejudicam igualmente o desenvolvimento, além de servirem como transporte de germes provocando danos à saúde. 
         Mas, isso nem sempre é simples. Muitos fatores precisam ser avaliados. O apoio de profissionais experientes como pediatras, dentistas e fonoaudiólogos facilitam o processo. A orientação da família e também escolar contribuem decisivamente para novos hábitos mais saudáveis.
          É importante saber que a maioria, senão todas as lesões que acometem a cavidade oral, são desenvolvidas durante nosso primeiro ano de vida.
           Contudo, e o mais importante, é que todas elas também podem e devem ser evitadas nesse período.